Atividades Realizadas 2024

Uma tarde no Museu do Trabalho

9 de abril. O mundo do trabalho antes e depois do 25 de abril é a grande temática que temos explorado com uma das turmas da Escola Secundária de Amora e o seu professor de Cidadania e Desenvolvimento, neste ano letivo. Para poderem ter uma visão mais palpável de algumas profissões, dos modos de trabalho, mas também das lutas e reivindicações laborais, das condições de trabalho e formas de vida antes do 25 de abril, visitámos o Museu do Trabalho Michel Giacometti, em Setúbal. A nossa simpática guia convidou alguns e algumas das alunas a experimentarem algumas profissões, desde o merceeiro à operária numa fábrica de conservas, nos vários cenários existentes no museu. Foi um momento inspirador para a atividade final que a turma irá dinamizar na sua escola já no dia 15: um debate sobre mulheres e imigração no mundo do trabalho, antes e pós 25 de abril.

Outras Economias: lançamento do #2

7 de fevereiro. Clima e economia: que relação? O segundo número da revista Outras Economias, elaborado em conjunto com o Climáximo, tenta explorar e explicitar como a emergência climática e o sistema económico (social, cultural, ecológico...) se entrelaçam, historicamente e na atualidade. Capitalismo fóssil, transição vs expansão energética, alternativas energéticas e socioecológicas, lutas e movimentos ligados à justiça climática, são alguns dos temas que compõem esta edição e que foram os tópicos de discussão no lançamento da revista. As intervenções de Guilherme Luz, investigador e um dos organizadores das Jornadas pela Democracia Energética, e da Arte, da Greve Climática Estudantil, fomentaram e enriqueceram o debate com os e as participantes, num fim de tarde animado, na biblioteca do Chapitô.

Peddy-paper na Escola Básica e Secundária da Chamusca

27 de março. Após o primeiro encontro residencial realizado em 2023, os e as jovens participantes que estudam na Escola Básica e Secundária da Chamusca organizaram um peddy-paper para duas turmas da sua escola. O percurso consistiu em três etapas: uma, em que os e as participantes respondiam a um quiz com perguntas sobre divisão das tarefas e responsabilidades domésticas, entre mulheres e homens; outra, em que lhes propuseram que mimassem tarefas domésticas a que geralmente se atribui pouca importância (uma pessoa do grupo mimava, o resto do grupo tinha que adivinhar) e, uma terceira, em que os/as participantes tinham que distribuir cubos (caixas de papelão) correspondentes também a tarefas domésticas, em três linhas: a dos homens, a das mulheres e mista, no final, tinham que carregar as caixas nos braços por um percurso definido. Este conjunto de atividades permitiu a reflexão dos/das participantes sobre as desigualdades entre homens e mulheres. Pode ler aqui a notícia escrita pelos e pelas jovens dinamizadoras da iniciativa.

CoESA, Co-construindo cidadania global na escola

Março. Desde o início do ano letivo 2023-24, a equipa do CIDAC caminha em conjunto com a Escola Secundária de Amora, num percurso marcado pelas noções de cidadania e de desenvolvimento, e com os 50 anos do 25 de abril como pano de fundo. É o projeto CoESA, uma parceria entre a ESA e o CIDAC, cofinanciado pelo Camões, Instituto da Cooperação e da Língua e que visa enraizar uma cultura de Educação para o Desenvolvimento nas práticas educativas da Escola, reforçando um modelo colaborativo entre Escola e ONGD.
4 professores/as aceitaram a proposta de trabalho do CIDAC e da equipa de coordenação da área curricular de Cidadania e Desenvolvimento para acompanharmos, juntos/as, as suas turmas no quadro desta área curricular, que se foca neste ano no antes e no depois do 25 de abril. Desde outubro, três membros do CIDAC deslocam-se quinzenalmente ao Seixal para trabalhar numa perspetiva crítica de ED, nos domínios tratados por cada uma das 4 turmas, o Trabalho, a Saúde, o Desenvolvimento Sustentável e os Direitos Humanos.
Além do trabalho em sala de aula, intervimos também no espaço não letivo. Nesta linha da intervenção, realizámos, com o apoio da professora bibliotecária, um ciclo temático sobre a censura durante o Estado Novo com a instalação da exposição “Silenciados”, resultante de uma colaboração com a Ephemera; a organização do colóquio “Censura e Liberdade de Expressão”, que contou com a participação do Adelino Gomes e da Luísa Teotónio Pereira (e um concerto da Banda da Escola convocando Zeca Afonso e Sérgio Godinho!); e a exposição de trabalhos de alunos e alunas À volta do tema “Expressa a tua liberdade de expressão!”. Até ao final do ano, iremos organizar mais um ciclo, desta feita sobre o colonialismo e as lutas pela independência, com oficinas, exposições e encontros com artistas.
De um ponto de vista mais simbólico, lançámos no início do ano a ideia de se realizar uma obra coletiva alusiva aos 50 anos do 25 de abril, com base num processo participativo que possa abranger o conjunto da comunidade escolar. Este processo permitiu ouvir as ideias de todas as turmas, de professores/as, de encarregados/as de educação e do pessoal não-docente, e de apurar um modelo em que cada turma e cada grupo irá realizar uma pintura no muro exterior da escola, que resultará num mural de cerca de 30 metros, oferecendo à comunidade envolvente um mosaico de visões e perceções do 25 de abril.
Este caminho, que começámos a trilhar há cerca de 7 anos com a Escola Secundária de Amora, prolongar-se-à pelo ano 2024-2025, ainda no quadro do projeto CoESA.